sábado, 25 de novembro de 2017

Coleta para o esforço de guerra na cidade de São Paulo.

2017 é o ano do centenário da declaração brasileira de guerra contra o Império Alemão, ocorrida em 26 de novembro de 1917, durante o governo do presidente Wenceslau Braz, após o afundamento do navio Macau, pelo submarino alemão U-93 [1].

O ataque e afundamento do Macau foi o ápice de um conjunto de ataques contra embarcações brasileiras desde o começo de abril de 1917, quando o Paraná foi afundado pelo submarino UB-32, sob o comando do "Kapitänleutnant" Max Vieberg [2].

Embora pouco divulgada entre o público brasileiro, a Primeira Guerra Mundial (1914 - 1918) produziu diversos impactos econômicos, militares e políticos no Brasil, especialmente, se levarmos em consideração a colonização europeia no país.

Propaganda de guerra.

O cartão postal que faz parte desta publicação (figura 1) é um exemplo de como que os estrangeiros residentes no Brasil da época foram envolvidos com a guerra na Europa. Alistamentos de voluntários e arrecadação de fundos estiveram na ordem do dia [3].

Figura 1: frente do cartão. Coleção: Wilson de Oliveira Neto (São Bento do Sul, SC).

Segundo a coleção "Nosso Século" [4], este cartão postal foi oferecido como um meio de arrecadação de fundos entre os membros das comunidades teuto-brasileiras na cidade e no Estado de São Paulo.

"27 de janeiro de 1917.
"Que ninguém diga: 'Eu já contribui'; nossas tropas também não dizem: 'Nós já lutamos'." Coleta para o esforço de guerra na cidade e Estado de São Paulo" [5].

Já no verso do cartão postal, foi impressa a seguinte mensagem:

"O Comitê executivo agradece por todas as doações recebidas e além disso pede que se lembre dos feridos bem como das viúvas e órfãos dos combatentes" [6].

Tal como aconteceu durante a Segunda Guerra Mundial, o "reconhecimento" do estado de guerra entre o Brasil e a Alemanha gerou agressões e perseguições aos alemães e teuto-brasileiros residentes, principalmente, no sul do país. Possivelmente, após 26 de novembro de 1917, esse tipo de material produzido também serviu de combustível para inflamar essas agressões e perseguições, típicas de tempos de guerra, e que fazem parte da memória e história do Brasil.

Notas:

[1] - DARÓZ, Carlos. O Brasil na Primeira Guerra Mundial: a longa travessia. São Paulo: Contexto, 2016, p. 101 - 103.
[2] - Ibidem, p. 89.
[3] - Reflexos da guerra. Nosso Século, São Paulo, sine die, p. 39.
[4] - Ibidem, p. 39.
[5] e [6] - As traduções da língua alemã para o português foram feitas pelo amigo e colega historiador Dilney Cunha (Joinville, SC).

2 comentários:

  1. Excelente postagem professor! Belíssimo cartão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo comentário Christian. Eu gosto muito desse cartão, belíssimo.

      Excluir